domingo, 13 de agosto de 2017

Papai Noel 30 - Tom & Jerry

Em Mamãe Biluca, Pimpão mostra ao filho uma pata chocando. Mas um patinho teve nascimento tardio. Então Biluca cuida dele até a pata voltar. Muita confusão porque o patinho aprendeu hábitos caninos.
É dos mais criativos e interessantes gibis de todos os tempos

No prelo Eleriqüim mistério magazine 6
Nomes deslocados, impróprios ou estapafúrdios
América - Porque o país Estados-Unidos não tem nome se acostumou a chamar seu país de América, o que é um termo abusivo
Do arco-da-velha - Essa expressão ante algo formidável, fabuloso, estupendo, é uma deturpação de da arca-da-velha, ou seja, das coisas mirabolantes que se imagina estar guardadas na arca, no baú da velha (da bruxa)
Belle époque - Comumente traduzido a bela época, é na verdade uma expressão francesa que significa a boa época, os bons tempos, os tempos áureos, a era dourada
Besouro Verde (Green hornet), Avispón Verde em castelhano. Não sei por quê em português puseram besouro, se se trata duma vespa. Muito esquisito.
Espanhol - Não existe idioma espanhol e sem castelhano, que se impôs a todos os outros porque a Espanha é um império dominado por Castela. Há o catalão, que escrito parece francês e falado parece italiano, galego, asturiano, extremenho, aragonês, aranês e o basco, que não tem parentesco conhecido. Comumente os povos dos outros idiomas se ofendem quando chamam o castelhano de espanhol. Seria algo como na Suíça chamar o francês de suíço.
Estados Unidos, Estados-Unidos - Estados Unidos é um título. Estados Unidos do México, Estados Unidos da Colômbia, outrora Estados Unidos do Brasil (Depois República Federativa do Brasil). Como em República Federal da Alemanha, República Federal é um título, não o nome do país. Estados Unidos da América, mas América é o nome do continente, o que induz a confusão, portanto termo abusivo. É um país que não tem nome. Pra minorar essa lacuna se o pode chamar de Eua ou de Estados-Unidos.
Grande-irmão - O termo, do inglês big brother é traduzido ao pé-da-letra como grande-irmão mas na verdade é uma expressão em inglês pra irmão-mais-velho, porque o irmão mais velho costuma ser o dedo-duro.
Jeannie é um gênio - O seriado ianque I dream of Jeannie, foi aportuguesado na metade. O nome da personagem principal ficou no original. Melhor ficaria Geni é um gênio.

Praça Vermelha - O nome vem do russo antigo, onde vermelho e bonito eram a mesma palavra. Praça Vermelha, mais propriamente, praça Bonita.
Coleção de cartão-postal de Joanco


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Crônica joão-personense

Crônica joão-personense
Nunca temi o longo braço da lei mas sim a lengalenga e a longa língua do povo
A saudade ao mar e os estrambóticos lanches aeronáuticos Musa laxante e projetista bate-bate E recrudesce o golpe da maleta Avisos macarrônicos Como no universo dísnei, de bicho-gente e bicho-bicho, gente-gente e gente-bicho O mistério do caranguejo engarrafado Sem frio, raio, frescura nem festa julina Um banho 3-em-1 Natal derrubada e Maceió esquisita Mais comparação ônibus-avião Cinto, sinto muito! Passagem aérea é especulativa No labirinto, camiseta em João Pessoa e Lisboa em camisa Espelhos e expelhos A praça do Sebo não tem sebo As arapucas internéticas Balança mas não cai
Muita saudade de banho marinho, que é uma aventura, pois é um desafio achar uma praia própria pra banho. Com praia urbana, João Pessoa é uma opção atraente. De quebra uma ponta de festa junina e uma esticadinha a Recife, a 100km, tipo Campinas–São Paulo. Como a passagem aérea estava mais barata a Recife, fui dali a Jompa em ônibus.
Até agora, a Avianca (Parece nome russo mas é colombiana. Seria anca da ave?) é a melhorzinha em lanche. Um sanduíche decente e quentinho. Nada daquelas comida-lixo, como os saquinhos tipo pseudo-batata-frita da Azul nem as horríveis balas da Lã-Tã-Latã. Mas de bebida nem a água, que deve estar envenenada por flúor.
As aeronaves parecem ser mais novas, não aqueles calhambeques chacolejantes da Aerolinhas Argentinas, se bem que num dos vôos travou todo o sistema de vídeo. Reiniciou n vezes, e nada. Passa uma série de propaganda e depois libera as opções. Pior que no Iutube, pois não se pode desligar a coisa durantes as propagandas. Então tive que aturar a cara da Galisteu, eterna musa do iogurte laxante. Mais uma que ficaria em palpo de aranha se o fabricante se envolvesse em escândalo.
Deveria ser proibido fazer propaganda paga, assim como é proibido receber dinheiro pra doar sangue. Quem louva um produto porque é pago pra isso é um picareta, assim como é ladrão quem pega algo emprestado e não devolve.
A conexão foi Brasília. Na descida o comandante do vôo avisou que as malas estariam na esteira 3. Não era. Era na 6. Mas eu não tinha de pegar mala ali, pois a bagagem ia direto. Tanto melhor. Mas nisso senti mais vontade de dar uns cascudos no projetista.
Uma vez comentei com Ramão e Emiliana sobre como os funcionários tratam a bagagem, ao ver como um carregador tirava as malas da carroça e jogava à esteira com raiva, como se fossem fardos de feno (O mesmo num camião do correio noutra ocasião). Pois parece que um desses carregadores ascendeu na função e virou projetista de esteira-de-bagagem, ou projetava aqueles carrinhos de bate-bate de parque-de-diversão, e inventou a esteira Cataratas. E não é de Foz do Iguaçu. Nas esteiras em Brasília a mala desce do teto. Em vez de desembocar suavemente à esteira horizontal, o que se faria com menor ângulo (ou seja, não tão vertical), cai da altura de cerca de 1m, batendo forte na lateral da esteira, bum! Eu, hem?! Só fico torcendo pra que esses projetistas de esteira e de carrinho pra carregar bagagem não subam ainda mais na função e virem projetistas de avião.
Aeroporto, rodoviária e xópim são os lugares mais incômodos, chatos, bregas, feios e com os produtos mais caros e de menor qualidade, de modo que quando menos se permanecer ali, melhor. Se num ponto da cidade tem uma lanchonete boa cuma filial num xópim, difícil a xopinesca ter a qualidade da matriz.
Ali tá pior que no de Guarulhos o golpe da maleta de brinde: Fingir que dá uma maleta de brinde e conseguir empurrar uma assinatura de revista vagabunda. Estão muito ostensivos, quase coercitivos. Vão te cercando. Não sei se é um funcionário da segurança dando um alerta. Muito chato. Parecem aquelas crianças vendendo navalha múltipla e chave-de-fenda múltipla. Uma vez um cunhado não quis saber, então os moleques bateram palma em coro cantando uníssono Panduro, panduro, panduro!
No começo de tarde a chegada a Recife. Na esteira um adesivo em português, inglês e castelhano, pra ter cuidado com a esteira. Castelhano macarrônico: Atentión! É a velha questão da placa, faixa, fachada, etc, com erro que ninguém vê.
Acho graça de coisas mal redigidas, como É proibido fumar durante todo o vôo. Então se fumar só durante um trecho não tem problema? É como aquela frase Estar a mulher que ama. Mas não quis dizer Estar com a mulher amada?
Mas tem português macarrônico também.
Embarque imediato pelo portão 11. Então o portão ia embarcar e não pôde, e o pessoal embarcará por ele?
— Oi, pessoal, sou o portão 11. Minha filha, portinhola 11 está doente. Por isso não posso embarcar. Pode todo mundo embarcar por mim?
Outro era numa barraca da Lo voglio, com as mentiras de sempre:
Gelato natural. 0 conservantes, 0 corantes, 0 gordura hidrogenada
Se é zero tem de ser singular. E por quê só a gordura no singular?
Noutro lado: Como pode ser natural se é feito por alguém? Um sanduíche natural seria se fosse fruto duma árvore, a sanduicheira, por exemplo. Á! Ta! Com ingredientes naturais, quer dizer.
A corrida de táxi oficial do aeroporto à rodoviária deu R$100. Chovia muito em Recife. O inverno nordestino é como o amazônico: Em vez de ser época de frio é de chuva. O céu todo encoberto, uma abóbada cinza, como em Lima, só que mais escuro, e o dia nada claro, como no crepúsculo. O inverno é a temporada chuvosa mas neste 2017 choveu mais que a média.
No nordeste não existe frio, exceto nas localidades montanhosas, onde esfria por causa da altitude. No litoral não tem seca, que é flagelo do interior. É como no sul, onde o litoral não é frio como o interior.
 Comecei a perceber que fui infeliz na escolha da data. Restava torcer pra que Jompa não estivesse chuvosa igual. Improvável por ser tão perto mas, quem-sabe?, Recife seja um microclima como Sampa.
Na escola aprendemos que são quatro estações. Ficamos condicionados ao simplismo de associar verão a calor e inverno a frio como se fosse um fenômeno mundial.
A meio-caminho ao guichê da viação Progresso fui interceptado por um indivíduo oferecendo a vã dum colega ao lado, mais barato que o ônibus, já tá saindo, patati-patatá. Arrepiei. R$37 o ônibus. Cai fora!, caipora. O ônibus quase vazio. Os três passageiros fomos conversando a viagem toda. Um não parava de lamentar que por 10 minutos perdeu o último ônibus e terá de pernoitar em Jompa. O outro esteve no Chile. Falei sobre a Colômbia. Disse que não cogitou porque é pobre e rústica como a Bolívia e o Paraguai. Eu disse que isso é estereótipo. Que pra passear a Colômbia é ainda melhor que o Chile, e que o Paraguai é muito melhor que Uruguai e Argentina (Exceto Cidade Leste, hehehe).
Nada de paisagem excepcional. Na periferia muita favela no morro. Nalguns pontos enorme extensão de lona negra estendida pra conter a erosão. Em 2007 era Recife a cidade mais violenta do Brasil, hoje deve ser a segunda ou terceira.
Na saída da rodoviária de Jompa esse segundo companheiro de viagem consultou no celular o uber ao hotel, no centro, minha reserva. Chamei o taxista, quem disse que esse hotel é muito ruim, que fica junto a um puteiro, no centro, área perigosa, deserta e insípida, boca-do-lixo, onde nada se tem pra ver ou fazer. Que melhor ficar na praia, área turística, onde está todo o agito e se pode passear na noite sem preocupação. O outro viajante concordou, que era isso mesmo.
Sim que a gente fica meio assim-assim em situação assim. Escolhi a não-teimosia e acertei. Já noite, passou na área e mostrou a feiúra e escuridão do local. A área da lagoa Sólon de Lucena, aonde fui duas vezes, pois tem os dois únicos sebos da cidade, um grande e um minúsculo, e comprovei que realmente nada tem, nem restaurante apreciável além do que fica no parque da lagoa, que é excelente. Ali tem uma casa de importado, onde comprei um carrinho-de-feira com o qual resolvi um problema de logística: Tem vez que uma visita aos sebos me deixa com muito peso. Com o carrinho, cinta de sacola e elástico de motoqueiro esse problema foi eliminado.
Chegando à pousada dos Anjos, a duas quadras da praia, anoitecer, como não tem elevador preferi não ficar no terceiro andar e sim no primeiro, bem na cara da portaria e com todo o barulho das conversas. Caso eu achasse ruim bastaria pedir pra mudar. Não mudei. Fui bater perna na área. Já de cara um choque cultural, um catador de sucata puxando a carroça rua a baixo, ao cruzar:
— Boa noite!
— Boa noite!
E não é só esse. O pessoal ali dá bom-dia com naturalidade. E responde! Não com aquela cara de bunda do pessoal daqui, achando um saco despertar da hipnose e encarar um estranho, pois em Campo Grande só conhecido é gente.
Claro que no hotel não. Ali é aquela babaquice geral. Penso assim: Cumprimentar as pessoas é uma mostra de reverência e respeito. Mostrar que os reconhecemos como gente, não como bicho. Mas quem se comporta como bicho como bicho será tratado. Afinal, e morreria de vergonha se empinasse o nariz e então passasse mal e tivesse de ser acudido por aqueles a quem considero bicho. É assim que penso quando me deparo com gente tosca:
— Aé, né? Se passar mal não é quem está perto quem te socorrerá? E se precisar de informação não terás de desempinar o nariz?
A área turística é bem restrita, pequena e interessante, prum passeio de no máximo cinco dias. Não chovia no dia da chegada, assim pude percorrer vasto trecho na orla.
Uma pequena galeria com lojas de produto artesanal e banca de comida, com cuscuz e tapioca, uma infinidade de cachaça artesanal, de todas as marcas, licor e doce. Jaca em calda, licor de pitomba, rapadura enrolada em palha tal qual pamonha. Mas cerveja artesanal não existe ali. Tem uma cachaça cum caranguejo dentro. Outra com caju. O sabor da cachaça curtida com caranguejo não é agradável nem desagradável. Vale pela curiosidade. Prefiro o contrário: Almoçar caranguejo ao molho de cachaça. Não sei como puseram o caranguejo ali. Aqueles famosos navios na garrafa pode ser que seja desmontado, mas o caranguejo tem de ser inteiro. Será que sopram a garrafa, na fabricação, já com o caranguejo? Só pode! Já vi na tevê com cobra e com escorpião, mas com caranguejo é nova.
Aqui explica como colocam:
Numa dessas galerias é o centro cultural, onde, rente à calçada, com som alto e muito agradável, sucessão de músicas juninas, forró, etc, um grupo dançando quadrilha. As moças com saias coloridas. Empolgante. Foi a melhor surpresa da viagem, pois havia muito não via festa junina de verdade, só as muito toscas, descaracterizadas e ensurdecedoras de Campo Grande.
— Taí! Já valeu a viagem!
A festa junina ficou nisso, pois era 24 de junho, dia de são João, feriado pessoense e encerramento das festas juninas. Aqui no centro-oeste temos as festas juninas e julinas. Pra fugir da concorrência ou aproveitar as férias de julho o São-joão se estende até julho. Lã não. Lá não existe o vocábulo festa julina. Encerram o São-joão no dia de são-joão e ponto! Igual encerramos o Carnaval na Quarta-feira-de-cinza.
João Pessoa e Campina Grande são meio como Campo Grande e Corumbá. Carnaval em Campo Grande é fraco. Carnavalesco campo-grandense vive de teimoso. Em Corumbá é o melhor do estado. Pois é só encostar numa barraca e ouvir alguém suspirando:
— Ai! Queria estar em Campina Grande.
Uma cliente da barraca, quem suspirou assim, disse que hoje tem o espetáculo da Elba Ramalho em Campina Grande. Que é só lá que gostam dela, em Jompa o pessoal não gosta porque fala mal da Paraíba, que por quê mora aqui então?
Fico muito desconfiado com esse negócio de maior São-joão do mundo. Coisa muito grandiosa e badalada me deixam com pé atrás. Além do quê evento concorrido demais é caro e tumultuado. Há muito já tirei da cabeça ir a carnavais como Olinda, Rio, ou mesmo o boi-bumbá de Parintins. Alta temporada não é minha praia.
O forte ali é camarão e água-de-coco. R$2,00, R$2,50, R$3,00 a água-de-coco. E o bom é que não tem frescura. Mesmo restaurante chique serve água-de-coco e não te barra por estar de bermuda, como em Curitiba. Por isso é até salutar uma crisezinha pro pessoal deixar a frescura de lado.
Há pouco Ramão e Emiliana foram a Fortaleza. Diz que o pessoal lá não conhecia lagosta e só passaram a apreciar quando na ocupação francesa os franceses ensinaram. Os frutos-do-mar que vemos no litoral, exuberantes, em Campo Grande são caríssimos. Caríssimos, não. Nem tem. Só tem esses camarõezinhos de supermercado, o mais comum. Eu disse:
— Quê-diabo de vantagem temos em ser o mesmo país? Só de não trocar moeda, não passar alfândega nem ter de tirar visto e ou passaporte. As mercadorias deveriam circular no país todo com pouca diferença de preço. Mesmo no Mercossul. Só há a vantagem de visto. Os correios não se integram, e uma encomenda custa o olho da cara, seja o governo que for.
 No domingo começou a ficar chuvoso. Mas uma chuva diferente, umas chuviscas fortes durante um minuto, quinze minutos depois outra. Num momento a chuvisca forte veio com vento, me fustigando areia nas costas. O engraçado é que ali, onde está o marco do ponto mais oriental das Américas, não venta tanto quanto Natal, onde o garção na praia vinha cum prato ornamentado com alface na borda, e quando chegava a alface já voara toda.
Na altura da pousada o mar é impróprio pra banho. Percorrendo ao norte, no fim o calçadão muda de pedra a uma lajota, muitas faltando, onde vai ficando deserto. O lance é ir na direção sul, Tambaú e Cabo Branco. Indo o mais longe possível, na altura do hotel Solemar, descendo na areia no fundo duma barraca, um ponto semideserto, onde deixei a sacola num banco sob um guarda-sol. Ao lado outro guarda-sol onde pouco depois apareceu uma família. Passamos a tarde ali, dia de céu encoberto, plúmbeo, com chuva esporádica e mar bravio. E eu feliz feito pinto no lixo, matando a saudade de banho marinho.
Na segunda fui aos sebos. A loja perto do sebo Cultural é uma versão chique do sebo, pros incautos e apreciadores de livro novo. Os mesmos livros da loja-sebo, muito mais caros. Abre às 10h. Em Jompa e Recife as lojas em geral abrem nessa faixa, 9h, 10h.
Como no Chile e na Colômbia, tudo abre tarde, na base de 9h, 10h, pensei que não é por acaso que a cadeia de banca-de-revista de lá se chama Viña-del-Mar. Estranhei o nome, duma cidade chilena na outra ponta do continente, onde tomei meu primeiro banho marinho no Pacífico. Na praia tem uma, e no bate-perna encontrei mais duas. Uma atendente explicou que não é dono chileno nem tem chileno no meio. É o nome do edifício onde ficava a primeira banca.
O sebo Cultural é bem grande e na entrada tem uma lanchonete, que foi a única que não tem água-de-coco. Deveria se chamar sebo Labirinto, de Minos ou do Minotauro, pois os corredores resultam em verdadeiro labirinto. É um sebo que não emporcalha capa do livro com adesivo de preço e logo da loja. Almoço no restaurante da Lagoa, camarão e lagosta com purê-de-batata e arroz, e água-de-coco, claro, já voltando com o carrinho-de-feira, portanto sem preocupação com o peso da sacola.
Na janela do caixa, na direita umas camisetas penduradas em cabide. Numa, branca, estava escrito Voto nulo. Eu disse à moça do caixa:
— Esse é dos meus! Voto nulo enquanto o voto for obrigatório.
Então na direita soou a voz do dono da loja, assomando a cabeça:
— Queres ganhar a camiseta?
— Quero! Farei campanha em Campo Grande.
Ganhei a camiseta. Minha idéia é complementar o dizer, no estilo Jânio Quadros:
Voto nulo
porque fulo!
Um livro raro encontrado foi Lisboa em camisa, de Gervásio Lobato, comédia de costume portuguesa do final do século 19. Em 1960 fizeram uma série portuguesa tirada do livro. Podeis assistir:
Lisboa em camisa
Em camisa é uma expressão lusitana: Na intimidade, sem afetação social, de chinelo.

Este é sobre o assassínio a João Pessoa, verdadeira tranqueira. Já falei sobre a bobeira de ter um tranqueira como Antônio Maria Coelho como nome de rua. Pois João Pessoa é muito pior.


Primeira-dama da política local conta gafes suas, alheias e outros relatos

 Outra coleta de causos na política pessoense


Crônicas e causos do carnaval pessoense


História e percalços do bloco carnavalesco pessoense Picolé de manga


A pedra que canta
Contos de ficção-científica de autor pessoense. Só estranhei o contraditório título dum conto: A neoescravocracia advinda. Como podem os escravos governar? Mesmo assim permanecem escravos?

Durante toda a estadia em Jompa só usei bermuda, sandália e camiseta. A chuva recrudesceu a partir da quarta-feira. O rosto já estava vermelho na chegada, piorando na praiada de domingo. Por isso tive de passar filtro solar, pois serve também como hidratante, ajudando a recuperar a pele corada. Mas bobeei em não pedir o pra rosto. Então tive de suportar duas vezes o terrível incômodo de escorrer e irritar os olhos. Passei esse incômodo no dia seguinte no sebo do Anacleto. Realmente, nenhum restaurante expressivo além do da Lagoa. Então almoçar na praia.
Encostado no muro da orla o restaurante Bahamas, imitando uma choça de palha. Excelentes pratos de fruto-do-mar, água-de-coco, chope. Garções simpáticos. No caixa um garção mostrando no celular uma foto duma modelo num maiô imitando a pele masculina bem peluda. Rimos muito aludindo à canção de Luiz Gonzaga, Paraíba masculina. https://www.youtube.com/watch?v=69rv13vRK98
Como estava chuvoso demais fui pesquisar o valor duma passagem aérea pro dia seguinte, abortando a volta no sábado, por causa da chuvarada. Em Jompa já estava tudo feito, e em Recife nada a fazer com tanta chuva. Não compensava porque passagem encima da hora é muito caro. Melhor encarar a volta via Recife.
Então na chuvosa quinta-feira fui ao segundo banho marinho. De bermuda de malha, que serve de calção-de-banho, camiseta de malha e sandália, levando só uma sacola de supermercado dentro doutra, com apenas um cartão de débito, o filtro solar e R$11, subi a orla em direção sul, sem me importar com a chuva, a um ponto diferente do de domingo, não no fundo duma barraca-restaurante. Como era meio de semana e sem restaurante perto, estava bem mais deserta. Antes de atravessar a areia pus a sandália na sacola. Meu plano era enterrar a sacola na areia mas com a chuva o buraco na areia se inundava. Então deixei na beira da arrebentação. Supérfluo enterrar porque estava muito deserto.
Ali a onda era melhor, não tão forte quanto no ponto de domingo. Ali fiquei pulando onda, mais feliz que gato na caixa. O céu encoberto, plúmbeo, como Lima em junho, e o mar cinzento, cheio de alga. Esporadicamente uma rajada de chuva, mas nada de raio, pois não vi raio nem ouvi trovão em toda a estadia em Jompa e Recife. Parece que o nordeste não é terra de raio. Quando chegava um lote de chuva os edifícios altos, ao longe, na esquerda, ficavam envoltos em névoa, vaporosos como num filme do expressionismo alemão. Um banho 3-em-1: Mar, chuva e sol. Não levei relógio. Só dava pra avaliar a hora olhando a posição do Sol pelo brilho na nuvem cinzenta quando parava a chuva. Um idílio de solidão total porque as pessoas meteram na cabeça que banho marinho tem de ser com sol, esquecendo que ali a água é sempre morna. Solidão só ofuscada por duas vezes um trio caminhando ao longo, longe. E por um casal em estranha cena. Ela filmando na ponta da calçada, ele em pé, de perfil, com pose que quem fará pipi… Um instante, e se foram.
Minha receita pra quem mora longe da praia matar a saudade:
Passar filtro solar, pra ficar com o cheirinho que faz lembrar praia. Fritar camarão e tomar uma água-de-coco com canudinho. Pra matar a saudade de pular onda, pegar o carro e passar correndo os quebra-mola.
Passeio completado, driblando a chuva, na noite, numa praça-de-alimentação na orla, um pastel de camarão e, claro, água-de-coco. No caminho o restaurante Canoa de camarão cuma promoção de rodízio de camarão a R$76. Já ia passando e voltei.
— Não perco essa.
Fez lembrar o Mar e terra, de Curitiba, em 1992.
Voltei ao hotel driblando a chuva. Quando apertava me abrigava sob alguma marquise. Teve um momento em que a água começou a descer na calçada, quase chegando aonde eu esperava. Uma mulher chegou pra se abrigar exclamando:
— Ai, que frio! Ai, que frio!
Achei muita graça. Se aquilo era frio… Mas certamente num país frio o pessoal também acharia graça de meu conceito de frio.
Quando começou a chover mais tinha esquina cuja calçada ficava alagada, obrigando a andar na rua. No calçadão da orla muita poça dágua, pois em muitos pontos formava barriga, retendo água. A prefeitura pessoense deveria caprichar mais numa área turística tão pequena. Decerto o engenheiro de lá deve ser da mesma escola dos que fizeram o mirante no parque das Nações indígenas.
Minha idéia era ir embora na quinta-feira às 5h, pra pegar o primeiro ônibus e otimizar a manhã em Recife. Mas como os nordestinos abrem tudo tão tarde e com a chuvarada sem parar, não adiantaria.
O taxista contou que a época mais barata pra visitar Jompa é imediatamente após acabar o Carnaval, quando cai em fevereiro. Que Natal era excelente mas que um prefeito que teve lá fez muito estrago que derrubou o turismo, e é procurado pela Interpol. Que acha Maceió muito bela mas cidade muito esquisita.
Mais comparação entre avião e ônibus: Ambos exigem cinto-de-segurança. Não sei por quê em carro, ônibus interurbano e avião se é obrigado a usar o tal cinto mas nos ônibus urbanos o pessoal vai em pé espremido feito sardinha na lata, e mesmo pros sentados não tem cinto. É como as pessoas proibidas de fumar mas as fábricas podem exalar toneladas de fumaça.
As sacolas de viagem não são impermeáveis e parece que os bagageiros de ônibus também não. Então melhor forrar as sacolas com plástico dentro. Em Foz tive um livro capa-dura que chegou a umedecer a capa, o mais embaixo, sem prejuízo. Chegando a Recife a sacola que ficou em borrifou água acumulada encima quando o atendente pegou, sem chegar a molhar dentro. A grande vantagem do ônibus é que não pesa as malas e não tem aquela maçante palestra de segurança à qual ninguém presta atenção. Duvido que se acontecer emergência alguém se lembrará dalgum item daqueles. Talvez só das poltronas supostamente flutuantes. Serão certificadas pelo corpo-de-bombeiro? ISO não sei quantos mil? A mesma bagagem a Avianca cobrou R$160 por 8kg de excesso de bagagem! 20R$/kg!
Agora conseguiram cobrar a bagagem separado da passagem. Logo-logo conseguirão cobrar também a passagem por quilo de passageiro. Então melhor fazer dieta antes de viajar.
Outra diferença gritante é que os outros meios de transporte, ônibus, trem, navio, têm o valor fixo da passagem, o que facilita muito ante imprevisto. No aéreo é uma especulação descarada, tipo bolsa de valor, cotação a dólar, sei-lá. Além de não ter critério pra cobrar excesso de bagagem, a passagem encima da hora fica o olho da cara, o preço varia conforme a temporada ser baixa, alta (férias e feriados) ou altíssima (Carnaval). Se tivéssemos um governo nacionalista, forte, sério e competente haveria leis contra esses abusos e uma aerolinha estatal pra defender os interesses do povo. E se houvesse trem-bala singrando o continente haveria concorrência de verdade.
Chegando a Recife a reserva era no motel Sobrado. Motel mesmo, cuma parede toda espelhada. Não sei qual é a graça pra quem vai até lá pra pra pra prará praprá, mas não sou muito amigo de espelho, ainda mais que sei que em lojas os espelhos são sempre suspeitos, pois a segurança gosta de usar vidro espelhado pra monitorar o público. E há motel que filma os hóspedes, pois há um mercado-negro de filminhos pornô pra vuaiê.
Num vidro espelhado a luz tem de atravessar o espelho, pra quem está na sala 2 ver a sala 1. Então tem de haver modos de detetar e ou acusar esse fenômeno.
Eis uma forma de detetar quando é vidro espelhado e quando é espelho verdadeiro.
Aproveitando o taxista dei uma corrida até a praça do Sebo, que não sei por quê tem esse nome, pois não é ali que ficam os sebistas mas duas quadras depois, que na verdade são só dois ambulantes que expõem na calçada. Coisa mais mixuruca. Marquei com o taxista meia hora num ponto de ônibus. Enquanto esperava, um ambulante de cedê tocava umas canções góspel pra lá de brega ao máximo volume. Eta, poluição sonora! Sou mesmo perseguido por disquejoqueiros malucos!
A conclusão é que não se deve confiar demais na internete. E não falo só sobre dicas turísticas. No mapa aparece muita livraria que aparece como sebo mas não é, algumas não existem e outras é o endereço que não existe. Fui à Gira-livro em Jompa. Era uma casa residencial. O cara explicou que eram só livros didáticos e alguns bestséleres que recebia como doação e disponibilizava pra doação. Eu disse que tem de avisar os portais que ali não é sebo. Respondeu que isso poderia diminuir as doações.
Cuidado também com os portais de gerenciamento de hotel. A pesquisa é hotel e aparece motel, hostel e outras variedades. Como o caso que contei em Assunção, onde a dona do tal hotel mandou mensagem dizendo que não estaria aberto naquele horário porque não é um hotel!
O atendimento do motel Sobrado é muito simpático e solícito. Tem telefone no quarto, o que a pousada dos Anjos não tem.
Na manhã seguinte a chuva pausou. Só o que tinha perto era o xópim Rio-mar, nome por causa da região ser a foz do rio Capiberibe. Dos males o menor.
No guichê da Avianca, pra pagar o excesso de bagagem, um atendente desconfiou que o casal que entrou à fila queria fazer chequim:
— Se for chequim é ali.
Foram. Continuou:
— Vê se pode! Vira-e-mexe e o pessoal acha que o despacho da bagagem é aqui. Cadê a esteira? Cadê a balança?
A colega, apontando uma plataforma no canto oposto:
— Já responderam que aquilo ali é a balança.
Eu disse:
— Sem esteira nem balança é porque decerto estão enxugando custo. Colocarão os funcionários que freqüentam academia pra arrastar as malas e pesar com aquelas balanças de mola com gancho na ponta. Assim se exercitam de forma produtiva em vez de se exercitar a toa.
E assim ficamos rindo da coisa.

Coleção de cartão-postal de Joanco
 



Chegou o livro do mais recente projeto da editora Clock tower
Seriam contos de Arthur Machen, mas na verdade são novelas, ou mais propriamente noveletas.
Esse é um dos grandes autores da literatura mundial. Não só um literato mas um verdadeiro iniciado. Nas obras de Machen se descortinam autênticos conhecimentos ocultos enredados em trama literária.
Autor imprescindível
 
Arthur Machen – O mestre do oculto

Edição limitada reunindo 9 contos do autor galês, incluindo sua obra mais conhecida, O grande deus Pã e uma série de extra incríveis.
A editora Clock tower, responsável pelo lançamento de O rei de amarelo e O mundo fantástico de HP Lovecraft, lançou recentemente o livro Arthur Machen – O mestre do oculto, primeira obra mais completa em português reunindo obras do autor. E a editora tem plano de seguir com livros de Machen, uma vez que têm material já traduzido pra mais 2 livros.
Arthur Machen foi um escritor e jornalista galês, conhecido por suas obras sobrenaturais e de fantasia. Seu conto mais conhecido, a novela O grande deus Pã, está no livro da Clock tower junto com outras obras inéditas em nosso idioma.
Arthur Machen – O mestre do oculto pode ser adquirido com todas as facilidades possíveis na conexão:
Mais informação sobre o livro:
Lista de contos:
1 – A luz interior
2 – A mão vermelha
3 – A pirâmide de fogo
4 – Ao abrir a porta
5 – O povo branco
6 – O pó branco
7 – O sinete negro
8 – O grande deus Pã (novela)
9 – Um jovem brilhante
Apêndice
- Artigo Machen x Lovecraft
- Biografia da equipe editorial
- Nome dos colaboradores
- Endereços internéticos dos parceiros da editora




domingo, 23 de julho de 2017

Lelo 005


Alguns vícios de linguagem em castelhano
Em castelhano vemos quase os mesmos vícios de linguagem do português. Mas vícios não tão comuns no português são o da dupla referência e erro de tempo verbal.
Si tuviera corazón, diría que su corazón fue destrozado
Está dizendo que se tivera (teve no passado ao qual se referiria, mas não houve referência a algum tempo passado, portanto erro verbal) coração (pode ser que hoje tenha), essa pessoa diria que seu coração foi destroçado.
O uso de tuviera, tivera em vez de tuviese, tivesse. Tuviera, tivera, tivesse tido, se refere a ter razão na ocasião referida, passado. Quem diria? A omissão do pronome faz com que a referência seja à terceira pessoa. Se for a segunda, tem de aparecer o pronome, no caso eu. com que quem diria é a mesma pessoa que não tem coração.
Si tuviese corazón, yo diría que su corazón fue destrozado
Se tivesse coração, eu diria que seu coração foi destroçado
¿Qué sucedería si Greta y los demás reaccionaran ante nuestras órdenes enfurruñándose, diciendo palabras amargas, discutiendo?
Reaccionasen, reagissem
¿Qué sucedería si Greta y los demás reaccionasen ante nuestras órdenes se enfurruñando, diciendo palabras amargas, discutiendo?
O quê aconteceria se Greta e os demais reagissem a nossas ordens emburrando, dizendo palavras amargas, discutindo?
Si pudiéramos mirar hacia el tiempo, veríamos la historia entera de Montevideo pasar por allí
Pudiésemos, pudéssemos. O por é excesso de preposição. Hacia, até, mal empregado.
Si pudiésemos mirar nel tiempo veríamos la historia entera de Montevideo pasar allí
Se pudéssemos olhar no tempo veríamos toda a história de Montevidéu passar ali
Un fragmento de existencia tan muerto como si nunca tuviera lugar
Está correto porque se refere ao passado: Um fragmento de existência tão morto como se nunca acontecera (tivesse acontecido)
Si yo estuviera del otro lado, no del lado de la gente, no habría nadie que escuchara mis opiniones
Se eu estivera do outro lado, não do lado do povo, não haveria ninguém que escutara minhas opiniões
Si yo estuviese nel otro lado, no nel lado de la gente, nadie habría que escuchase mis opiniones
Se eu estivesse no outro lado, não no lado do povo, ninguém escutaria minhas opiniões
Era el último de los cinco hijos de un notario y una muchacha de la nobleza, que falleció cuando sólo tenía siete años de edad.
Era o último dos cinco filhos dum escrivão e uma garota da nobreza, que faleceu quando tinha apenas sete anos de idade.
Difícil redigir de forma mais confusa. A única forma que faz sentido e deixa claro:
Era el último de los cinco hijos de una muchacha de la nobleza y un notario que falleció cuando ese hijo sólo tenía siete años de edad.
Era o último dos cinco filhos duma garota da nobreza e um escrivão que faleceu quando esse filho tinha apenas sete anos de idade.
En la edad media surgió un retrato de Satanás más reconocible.
Fue una época de inmenso sufrimiento, que se empeoró con el brote de peste bubónica, la pandemia más devastadora de la historia humana, que mató a millones en toda Europa.
Como la Iglesia no podía proteger a los creyentes de la enfermedad, las representaciones de Satanás se centraron en los horrores del Infierno, reflejando el estado de ánimo del momento y recordándoles a los fieles que se abstuvieran de pecar.
Na idade média surgiu um retrato de Satanás mais reconhecível.
Foi uma época de imenso sofrimento, que piorou com o surto de peste bubônica, a pandemia mais devastadora da história humana, que matou milhões em toda a Europa.
Como a Igreja não podia proteger os crentes da doença, as representações de Satanás se centraram nos horrores do Inferno, refletindo o estado de ânimo do momento y recordando-lhes aos fiéis que se abstiveram de pecar.
Proteger a los creyentes contra la enfermedad, recordando a los fieles que se abstuviesen
Proteger os crentes contra a doença, lembrando aos fiéis pra não pecar
En un bosque de variada vegetación, en algún lugar de los picos orientales de los Cárpatos, un hombre estaba en una noche de invierno observando y escuchando, como si esperara que alguna bestia de los bosques apareciera al alcance de su mirada, y posteriormente, de su rifle.
En un bosque de variada vegetación, en algún lugar de los picos orientales de los Cárpatos, un hombre estaba en una noche de invierno observando y escuchando, como si esperase que alguna bestia del bosque apareciese a alcance de la mirada y del rifle.
Num bosque de variada vegetação, nalgum lugar dos picos orientais dos Cárpatos, um homem estava numa noite de inverno observando e escutando, como se esperasse que alguma besta do bosque aparecesse a alcance do olhar, e do rifle.
Pero dejemos los cohetes por el momento y retornemos al testimonio de Mercedes C, quien nos entregó una de las más completas versiones de la historia del loco de los carteles:
Mi mamá cuenta que después de un par de semanas sin noticias de su mascota, empapeló el barrio con afiches en donde se mostraba la foto del perro y la recompensa para la persona que lo encontrara. Pero el pichicho jamás apareció. Mi mamá dice que, todos los días, el pobre hombre recorría las calles despegando los avisos nuevos que tapaban los afiches con la foto de su perro.
Erro de preposição, pronome, tempo verbal. Notar como o erro de tempo verbal resulta em informação errada, pois está dizendo que o cão foi encontrado, quando quer informar sobre a recompensa a quem o encontrar (caso seja encontrado).
Outra incoerência são as frases sin noticia de su mascota, sem notícia de seu mascote, e la foto de su perro, a foto de seu cão. Nesse parágrafo a primeira pessoa é Mercedes C, recontando o que sua mãe contou sobre um homem que perdeu um cão. A mãe é a terceira pessoa, o dono do cão é a quarta, já que a segunda é o leitor. O cão perdido não pertencia à mãe de Mercedes mas ao homem, a quarta pessoa. Então sin noticia de la mascota de él, sem notícia do mascote dele, la foto del perro de él, a foto do cão dele. Na segunda referência é supérfluo dizer a quem pertence o cão, la foto del perro, a foto do cão.
Outro erro é a frase nos entregó, nos entregou, quando o certo é entregó a nosotros, entregou a nós, pois não fomos nós o que foi entregue e sim a história.
Pero dejemos los cohetes un momento y retornemos al testimonio de Mercedes C, quien entregó a nosotros una de las más completas versiones sobre la historia del loco de los carteles:
Mi mamá contó que después de un par de semanas sin noticia de la mascota de él, él empapeló el barrio con afiche en donde se mostraba la foto del perro y la recompensa para la persona que lo encontrase. Pero el pichicho jamás apareció. Mi mamá dijo que todos los días el pobre hombre recorría las calles despegando los avisos nuevos que tapaban los afiches con la foto del perro.
Mas deixemos os foguetes um momento e retornemos ao testemunho de Mercedes C, quem entregou a nós uma das mais completas versões sobre a história do louco dos cartazes:
Mamãe contou que depois dum par de semanas sem notícia do mascote dele, ele empapelou o bairro com anúncio onde se exibia a foto do cão e a recompensa prà pessoa que o encontrasse. Mas o totó jamais apareceu. Mamãe disse que todo dia o pobre homem percorria as ruas descolando os avisos novos que tapavam os anúncios com a foto do cão.
Yo me encargo básicamente de sepultar a la mayoría de los cuerpos que llegan a este cementerio, es un trabajo de mucha responsabilidad porque tengo los restos de familiares de toda la ciudad en mis manos, y por eso los trato como si fueran míos.
Dupla referência, má pontuação, erro de tempo verbal
Redundância: Se tenho os restos não é preciso dizer que estão em minhas mãos. Se pode dizer tenho os restos ou estão em minhas mãos.
Me encargo básicamente de sepultar a la mayoría de los cuerpos que llegan a este cementerio. Es un trabajo de mucha responsabilidad porque tengo los restos de familiares de toda la ciudad. Por eso los trato como si fuesen míos.
Me encarrego basicamente de sepultar a maioria dos corpos que chegam a este cemitério. É um trabalho de muita responsabilidade porque tenho os restos de familiares de toda a cidade. Por isso os trato como se fossem meus.
Película Si yo fuera rica!…
Filme Se eu fora rica!…
A frase diz que está suspirando o fato de no passado não ter sido rica, quando na verdade o que suspira é o fato de não ser rica. Então a redação correta é Si yo fuese rica!…, Se eu fosse rica!...
Una energía que le augura larga vida al teatro uruguayo
Doble referencia, dupla referência
Los políticos reaccionarán cuando les ataquen a ellos, como pasó con Eta
Doble referencia, dupla referência
Los políticos reaccionarán cuando fueren atacados, como pasó a Eta
Os políticos reagirão quando forem atacados, como aconteceu ao Eta
Aquella frontera que a mí me horrorizaba
Doble referencia, dupla referência
Había estado rezando por su compañera de habitación, que había muerto en la semana anterior, y que la cama en donde estábamos sentados le había pertenecido a ella.
Había estado, havia estado, duplo verbo: Estuviera, estivera.
Había muerto, havia morrido, duplo verbo: Morrera.
Le había pertenecido a ella, Lhe habia pertencido a ela, duplo verbo e dupla referência.
…Estuviera rezando por su compañera de habitación, que muriera en la semana anterior, y que la cama en donde estábamos sentados perteneciera a ella.
…Estivera rezando por sua companheira de quarto, que morrera na semana anterior, e que a cama onde estávamos sentados pertencera a ela.

Nunca encontré atractivo en pisar lugares tan pesados como los cementerios
Os lugares são os cemitérios
Nunca encontré atractivo en pisar lugares tan pesados cuanto los cementerios
Os lugares não são os cemitérios
Willets lo mandó llamar a la policía, pero a mí me hizo quedarme
Willets lo mandó llamar a la policía, pero a mí me hizo me quedar
A mí me hizo me quedar, tripla autorreferência. Aqui a vírgula é opcional, questão de estilo.
Willets lo mandó llamar a la policía, pero hizo me quedar
Willets lo mandó llamar a la policía, pero me hizo quedar
Willets o mandou chamar a polícia, mas fez eu ficar
Carvajal mandó a un negro que le cortara la cabeza, porque Puelles no le dejó apear, diciendo ser bajeza. El mismo Puelles tomó la cabeza y la llevó a la picota, la mostrando a todos.
Carvajal mandou a um negro que lhe cortara a cabeça, porque Puelles não lhe deixou apear, dizendo ser baixeza. O mesmo Puelles pegou a cabeça e a levou à picota, a mostrando a todos.
Carvajal mandou o quê a um negro que lhe cortara a cabeça?
Se teve a cabeça cortada, como pôde mandar algo?
Redação muito confusa
Había cumplido su palabra de romper la primera lanza, y fue el último en dejar de combatir. Herido gravemente, rodeado de enemigos, cayó al fin, casi exánime, a un golpe de hacha. Reconocido por un soldado de Pizarro, acudió el licenciado Carvajal, hermano del que fue muerto por el Virrey; y después de insultarle se disponía a rematarle con su mano, cuando el capitán Puelles, improbándole su conducta, mandó a un negro que le cortara la cabeza. Entonces, su cabeza fue paseada y exhibida ruidosamente por las calles de la ciudad. (Aguirre Abad, Bosquejo histórico del Ecuador, página 115)
Cumpliera su palabra de romper la primera lanza y fue el último a dejar de combatir. Herido gravemente y rodeado de enemigos, cayó al fin, casi exánime, por un golpe de hacha. Reconocido por un soldado de Pizarro, acudió el licenciado Carvajal, hermano del que fue muerto por el virrey. Después de lo insultar se disponía a lo rematar con su mano, cuando capitán Puelles, improbando su conducta, mandó a un negro cortar la cabeza. Entonces la cabeza fue paseada y exhibida ruidosamente en las calles de la ciudad. (Aguirre Abad, Bosquejo histórico del Ecuador, página 115)
Cumprira sua palavra de quebrar a primeira lança e foi o último a deixar de combater. Ferido gravemente e rodeado de inimigos, enfim caiu, quase exânime, por um golpe de machado. Reconhecido por um soldado de Pizarro, acorreu o licenciado Carvajal, irmão do que foi morto pelo vice-rei. Depois de o insultar se dispunha a o executar com a própria mão, quando capitão Puelles, desaprovando sua conduta, mandou um negro cortar a cabeça. Então a cabeça foi exibida percorrendo ruidosamente as ruas da cidade. (Aguirre Abad, Bosquejo histórico del Ecuador, página 115) http://www.enciclopediadelecuador.com/personajes-historicos/blasco-nunez-vela/
Estudió para poder ser médico
Estudió para ser médico
Del alto de los árboles pudieron ver a los que pasaban
Del alto de los árboles vieron a los que pasaban

Entonces Aguirre escribió su famosa carta a Felipe II, desafiando su poder, lo colmando de injuria.
Se refere a Aguirre, que enviou uma famosa carta ao rei Felipe II, desafiando o poder de Felipe II. Mas vede a confusão de pronome na redação acima. Sua famosa carta e seu poder na mesma oração. A primeira pessoa é o redator, a segunda é o leitor, a terceira é Aguirre, a quarta é Felipe II. Seu, sua só pode se referir à terceira pessoa, portanto a famosa carta é de Aguirre e o poder desafiado também. Mas não é. O poder que foi desafiado é de Felipe II, portanto há erro pronominal na redação. Corrigindo:
De él, dele, se refere à quarta pessoa, Felipe II.
Entonces Aguirre escribió su famosa carta a Felipe II, desafiando el poder de él, lo colmando de injuria.
Então Aguirre escreveu sua famosa carta a Felipe II, desafiando o poder dele, o crivando de injúria.
Ratas se comen una niña de tres meses mientras mamá rumbeaba
Excesso de pronome e erro de tempo verbal
Ratas comieron una niña de tres meses mientras la mamá rumbeaba
Ratos comeram una menina de três meses enquanto a mãe rumbeava
Uma esquisitice do castelhano popular é usar o pronome se pra verbo que não é transitivo indireto. Ratos se comeram seria um caso de autofagia.
Ya tened, pues, a grandes rasgos, la historia del Perú, que, como visto, está bastante vinculada a la nuestra. Me olvidé de hablar sobre la última guerra que tuvo esta nación: La guerra con Chile.
Já tendes, pois, a grosso modo, a história do Peru, que, como visto, é muito vinculada à nossa. Me olvidei de falar sobre a última guerra desta nação: A guerra contra o Chile.
No texto desse fragmento é um espanhol visitando o Peru e contando aos sobrinhos, na Espanha, como é o Peru. Se o narrador está na Espanha não pode dizer esta nação, pois se refere ao Peru, não à Espanha, onde estão. Teria de dizer aquela nação.
A guerra não foi com o Chile como aliado mas como inimigo. Então guerra contra Chile.
Hola Vicente, pues te cuento que hace muchísimos años, una vecina ya mayor me contó una historia dónde ella viajaba de una ciudad cercana a la ciudad que es Guadalajara, México; y pues resulta que se baja antes de llegar al lugar a donde se dirigía y no identifica el lugar, no le parece a nada conocida y lo más extraño ocurre que todos los que ahí habitaban eran muy amables.
Problemas de pontuação. Pues te cuento, supérfluo, se já está contando (E sería Pues cuento a ti). Me contó em vez de contó a mí. Ella se usa prà quarta pessoa. No caso é a terceira. Erro de tempo verbal: Baja em vez de bajó, identifica em vez de identificó. No le parece nada, dupla negação e erro de tempo verbal e concordância. Ahí () em vez de allí, pois allí (ali) é onde está a segunda pessoa.
Hola, Vicente. Hace muchísimos años una vecina ya mayor contó a mí una historia sobre su viaje de una ciudad cercana a la de Guadalajara, México. Se bajó antes de llegar al destino y no identificó el lugar, que no se parecía a algún conocido. Y lo más extraño es que todos los habitantes eran muy amables.
Olá, Vicente. Há muitíssimos anos uma vizinha já idosa contou a mim uma história sobre sua viagem duma cidade perto da de Guadalajara, México. Desceu antes de chegar ao destino e não reconheceu o lugar, que não se parecia a algum conhecido. E o mais estranho é que todos os habitantes eram muito amáveis.
Las luces eran vistas por la noche en las ventanas del edificio
O recorrente vício de usar por em vez de em
Está dizendo que a noite via as luzes. Mas a noite não pode ver porque não é um ser vivo e não tem olho. Quem via eram as pessoas. As pessoas viam durante a noite, no período noturno, na noite, dentro da noite.
Las luces eran vistas en la noche en las ventanas del edificio
As luzes eram vistas na noite nas janelas do edifício

Coleção de cartão-postal de Joanco