Janeiro 2013 - Che Guavira - sítio literário

sábado, 26 de janeiro de 2013

Episódios de 16 a 20 da 4ª temporada de Viagem ao fundo do mar, falado em português
Episodios de 16 a 20 de la 4ª temporada de Viaje al fondo del mar, hablado en portugués

Episódios de 21 a 26 da 4ª temporada de Viagem ao fundo do mar, falado em português
Episodios de 21 a 26 de la 4ª temporada de Viaje al fondo del mar, hablado en portugués

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Episódios de 6 a 10 da 4ª temporada de Viagem ao fundo do mar, falado em português
Episodios de 6 a 10 de la 4ª temporada de Viaje al fondo del mar, hablado en portugués
O 8º (092) episódio, A hora pré-determinada (Time lock), é uma aventura que se passa com os mesmos seres do melhor episódio (28) de O túnel do tempo, Os raptores (The kidnappers). Quando soube disso quis rever o episódio no viagem. Apesar de escrito pelo mesmo autor da aventura no túnel, William Welch, no viagem foi decepcionante. O velho clichê do vilão tagarela e vaidoso, que conta tudo, faz lembrar o decepcionante Wonka andrógino da versão mais recente da fábrica de chocolate (Willy Wonka and the chocolate factory (no Brasil A fantástica fábrica de chocolate, em Portugal A maravilhosa história de Charlie)), onde estragaram o filme. Tudo muito bobo. Apesar de carecer de temas fantásticos a 1ª temporada do viagem é, de longe, a melhor. A tradução do título Time lock, que pode ser Tempo fechado, Tempo travado ou Comporta do tempo (Comporta do tempo mais adequado ao enredo), foi posta A hora pré-determinada. Mas que hora pré-determinada é essa? Não tem bomba-relógio (só no final, matando os vilões), hora marcada, nada que justifique o título. Quem dá o título deveria assistir o episódio antes.
Uma curiosidade: No referido episódio do túnel, a dublagem brasileira cometeu uma gafe. Vendo que naquele planeta os seres automaticamente ficam estáticos ao anoitecer, Tony disse que são como plantas, mas a dublagem confundiu os vocábulos ingleses plants y planets, e disse São como planetas.
El 8º (092) episodio, La hora predeterminada (Time lock), es una aventura que se pasa con los mismos seres del mejor episodio (28) de El túnel del tiempo, Los raptores (The kidnappers). Cuando supe de eso quise rever el episodio nel viaje. A pesar de escrito por lo mismo autor de la aventura nel túnel, William Welch, nel viaje fue decepcionante. El viejo cliché del villano parlanchín y vanidoso, que cuenta todo, hace recuerda el decepcionante Wonka andrógino de la versión más reciente de la fábrica de chocolate (Willy Wonka and the chocolate factory (en Brasil A fantástica fábrica de chocolate, en Portugal A maravilhosa história de Charlie)), donde estropearon la película. Todo muy tonto. A pesar de carecer de temas fantásticos la 1ª temporada del viaje es, de lejos, la mejor. La traducción del título Time lock, que puede ser Tiempo cerrado, Tiempo trabado o Comporta del tiempo (Comporta del tiempo más adecuado al enredo), fue puesta A hora pré-determinada, en portugués. ¿Pero que hora predeterminada es esa? No hay bomba-reloj (solo nel final, matando los villanos), hora marcada, nada que justifique el título. Quien da el título debería asistir el episodio antes.
Una curiosidad: Nel referido episodio del túnel, la dublaje brasilera cometió un chascarro. Vendo que en aquel planeta los seres automáticamente quedan estáticos al anochecer, Tony dijo que son como plantas, pero la dublaje confundió los vocablos ingleses plants y planets, y dijo Son como planetas.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Não é o que parece
Nova versão do tarado pelado
Allá viene un tarado pelado con su saco en las manos, con tesón para transar, corriendo atrás de la buseta. De torpe la perdió. Y quedó dando puñetazos al aire, airado, reclamando de estafa y gritó:
— ¡Puñeta!
Eso por ser tan chiflado.
Entonces volvió a su boquete.
Tradução:
Lá vem um doido careca com seu paletó nas mãos, com perseverança pra negociar, correndo atrás do microônibus. De trapalhão o perdeu. E ficou dando socos ao ar, irado, reclamando de estelionato e gritou:
— Que droga!
Isso é que dá ser tão pateta.
Então voltou a sua trilha estreita.
Pero al lusófono incauto eso suena como:
Allá viene un maniaco sexual desnudo con su testículo en las manos corriendo atrás de una vagina, excitado para follar. De cruel la perdió. Y quedó se masturbando, lleno de aire, reclamando de extremo cansancio y gritó:
— ¡Masturbación!
Eso por ser tan cornudo.
Entonces volvió a su sexo oral.

O fim do mundo
Certo país resolveu se prevenir pro 21 de dezembro de 2012 colocando o exército em prontidão em toda a fronteira. O ministro de relação exterior declarou:
— É que tememos uma invasão de refugiados apocalíticos orientais, vindo pra viver um dia a mais.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

 Esta é pros cinéfilos:
Aqui há dois erros de continuidade
(Selecionar pra ver a resposta):
*1 - Na camiseta de Bolinha aparece escrito salva-vida em português, depois em inglês e depois em português
2 - O maiô de Glória é azul e em seguida é verde*

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Episódio 4
Texto de Mário Jorge Lailla Vargas
1
A despedida
Na roda-de-tereré do CSI Campo Grande Gláuder contando:
— Mário nos dera uma água-benta que sua mãe trouxera da missa e foi disso que nos valemos pra espantar o espírito que entrou em Lígia, que ficou igual aquela de O exorcista. Só faltou girar a cabeça. A mãe de Lígia orava e Lígia: Pares com essa reza ridícula! Não agüento mais! Salpicamos água-benta nela e começou a gritar, até que o espírito saiu. No dia seguinte, Mário, muito gozador, apareceu lá em casa e disse a Lígia: Venhas comigo, pois sou amante latino, e conhecerás um homem de verdade! Então virou ao sofá, se estrebuchou um pouco e se levantou com cara de mocorongo, dizendo: Ã? Onde estou? O que aconteceu? Não vai dizer que o caboclo Ricardão baixou de novo! Então eu disse: Basta dar uma surra no corpo pro tirar o caboclo Ricardão. E Mário: Não! Não! Uma respingada de água-benta já resolve!
— Quá quá quá quá...
Era a despedida de Gláuder e Lígia, transferidos ao CSI Ponta Porã.
— Vem aí Miro, do CSI Belém.
Então além do tereré começou a era da tapioca.
Gláuder se foi com idéia de morar no lado paraguaio. Ali na fronteira começou a estudar a água paraguaia e chegou a interessante conclusão da qual falarei noutro episódio.
Chegou Miro, com toda a parentada de Belém, quase uma colônia paraense, atraída pela tranqüilidade de Campo Grande. Não pelo povo, claro, pois, como contou sua sogra, procurava um endereço e viu uma senhora na calçada. Perguntou onde mora fulano. Não sabia nem tinha idéia. Não conhecia esse fulano. Mais adiante encontrou alguém que sabia e que indicou o local. Era ao lado da casa da informante anterior. Aqui o morador nem sabe o nome do vizinho!, disse, espantada.
Miro era bem o oposto do paradão Gláuder. Dinâmico, tanto que gosta de camisa vermelha, já foi logo reformando a sede, contratado pra firmar o muro de Mário, já perto de cair, e pôr concertina, além de reforçar a estrutura da casa duma parente, já preste a cair também.
Miro foi à casa de Mário pra falar sobre o primeiro caso a resolver. Sua pré-estréia no CSI Campo Grande. Dom X, m milionário da cidade apostou, contra um amigo, que desvendaria quem é o já famigerado Mão Preta, que escreve assustadoras cartinhas no amigo oculto de sua empresa.
— O cara apelou a nós, pra descobrir o autor das cartinhas. A diferença neste caso é que não prenderemos o culpado no final. Como soube de tuas experiências como Poeta Doido, Programador Maluco, dupla paradoxal, etc, acho que podes ajudar muito.
— É... De assassino e de cherloque todo mundo tem um toque.
— Diz que uma vez usaste um truque pra saber se era mesmo mulher quem escrevia a ti. Como foi?
— Eu estava num amigo oculto e recebi a cartinha duma suposta garota, sempre espirituosa e interessante. Então chegou uma cartinha sua dizendo que sou o mais lindo da empresa, etc. Pensei um pouco e achei que aquilo não era coisa de mulher, e sim de gozador. Amigo oculto, fim de ano, não falta gozador. Então tive uma idéia pra praticamente ter certeza.
— Um ardil.
— Respondi dizendo Mas que raridade encontrar uma mulher assim, tão interessante, que discute um tema intelectual com inteligência, porque mulher é bicho burro, que só pensa em vestido, sapato, compra e falar mal das outras. Então tive certeza de que era homem porque continuou a correspondência normalmente. Se fosse mulher ficaria brava e me chamaria de machista.
 — Hahahaha. Tão simples e engenhoso. Hahahaha. É o tipo de coisa que precisamos neste caso. A única notícia ruim é que não podemos usar os recursos do CSI pra desvendar o caso, por motivo óbvio. Além do mais ainda não assumi o cargo e não és funcionário, apenas uma espécie de consultor.
— Então vamos ao local do crime.
— Já estás contratado como estagiário na empresa de dom X. Quanto a mim, enrolarei vistoriando e reformando alguma parede.
2
Surge Mão Preta
O texto completo em

@templatesyard