Junho 2010 - Che Guavira - sítio literário

sábado, 19 de junho de 2010


Medalha de ouro, prata, bronze? Não!
Medalha de lata enferrujada
prà imprensa brasileira, que todo ano de copa se esquece totalmente dos festejos de são joão, a festa junina, nossa segunda grande festa. É só copa, copa e mais copa, aquela jabaculê, ops!, jabulani, bola quadrada. Se vivemos num mundo tão democrático quando nos querem convencer, por que não vão testando a tal bola ao longo dos anos anteriores em eventos menores? Esse mundo desportivo é autoritário, formalista e puritano demais pra meu gosto. A primeira copa do mundo de futebol de inverno: África do Frízer. Os caras da Fifa fugiam da aula de geografia. Não sabem que no hemisfério sul as estações climáticas são invertidas? Não previram a baixa umidade do ar? Se fizerem a copa 2014 em Brasília na mesma época o índice de umidade do ar poderá estar muito pior. Não importa? Terá patinação no gelo, trenó, esqui nas preliminares? Só falta fazer jogos de inverno a 40ºC.
A camisa da Holanda: Aquilo é laranja? Tá parecendo aqueles que chamam lilás ou carmim de cor-de-rosa.
A tevê não põe mais letra de hino? Os eventos desportivos já são culturalmente indigentes, já quase anti-culturais. Que pobreza de espírito! Já não basta ser tudo tão censurado?
E por que insistem em chamar argeliano de argelino? Argelino é natural de Argel, tunisino de Túnis, nigerino do Níger. Chamar argeliano de argelino é o mesmo que chamar brasileiro de brasiliense. E campeonato carioca? Se é estadual não deveria ser fluminense? Carnaval carioca, sim, porque é um evento municipal.
Por que não extinguem o segundo tempo? Fica só 45 minutos o jogo todo. Bem melhor. Afinal, ninguém agüenta jogar o segundo tempo mesmo (Só Marta & companhia).
Estão dizendo que não mais farão copa no terceiro mundo porque está caro demais? Não seria melhor ir fazendo nos países tradicionais e fazer numa África do Sul ou Brasil só depois que estiver tudo pronto já de antemão?
Poderiam desenvolver um gramado rotativo ou tapete de colocação rápida e fazer os jogos um atrás do outro, como num desfile carnavalesco e num estádio só. Pegar um país bem ruim de futebol (China, Israel, Eua ou Canadá, por exemplo) e fazer dele sede permanente, sendo que esse país nunca participará, pois sempre o país-sede é ajudado pelo juiz. Simplificar. Mas tem de haver o compromisso de não se ignorar as festas folclóricas de cada país. É preciso que as entidades internacionais se preocupem com isso. Senão teremos de fazer campanha pra acabar com esses eventos alienantes, estereotipados, propagadores de falsos valores e lesivos à cultura popular.

Idéia pra charge
Um repórter e pergunta a um torcedor brasileiro empolgado:
-- Muito esperançoso?
-- Claro! É Brasil na cabeça! Brasil! Brasil! Brasil!
Passam duas torcedoras argentina gritando e agitando bandeira:
-- Argentina! Argentina! Argentina!
O torcedor tira da mochila uma camisa argentina e uma peruca de cabelo comprido, se caracteriza de argentino e sai atrás delas, gritando:
-- Ar-rentina! Ar-rentina! Ar-rentina!

@templatesyard